Ideias. Colaboração. Tecnologia.
+55 21 2224-4525
IInterativa

Infográfico – Publicidade infantil: consumo e responsabilidade

Para muitos especialistas, as crianças são consideradas vulneráveis à publicidade e, portanto, deveriam ser afastada desse tipo de comunicação. A cada comercial claramente (ou nem tanto) destinando ao público infantil, o debate se intensifica. As opiniões são muitas e variadas sobre quanto a publicidade já faz parte da vida dos pequenos e integra o contexto familiar. Quer saber por que este tema é tão polêmico? Confira no infográfico de hoje.

 

Infográfico – Publicidade infantil: consumo e responsabilidade

Pesquisa do Datafolha mostrou que 52% dos brasileiros são contra a publicidade de alimentos industrializados dirigida para crianças. Qual a legislação para isso e como o mercado publicitário corresponde?

As crianças menores de 12 anos já possuem proteção diante da publicidade infantil. Ela está garantida pela:

  • Constituição Federal
  • Código de Defesa do Consumidor
  • Estatuto da Criança e do Adolescente
  • Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente

O Projeto de Lei 5921/2001 visa criar regras claras para a publicidade dirigida a este público.

PUBLICIDADE INFANTIL NO MUNDO

  • No Canadá (Quebec), Suécia e Noruega é ilegal.
  • No Reino Unido, Grécia, Dinamarca e Bélgica é restrita.
  • Na União Europeia há legislação que determina condições mínimas para os Estados membros.
  • Na FRANÇA, em janeiro de 2018, entrou em vigor o Projeto de Lei que determinou o fim da veiculação de qualquer publicidade durante a exibição de programas infantis na televisão pública.

COM O FIM DA PUBLICIDADE PARA CRIANÇAS…

  • As empresas que vendem produtos e serviços para crianças perderiam 13% de receita.
  • Porém, traria benefícios decorrentes de uma população mais saudável, gerando uma economia entre R$ 61 e R$ 76 bilhões.

COMPROMISSO PELA PUBLICIDADE RESPONSÁVEL PARA CRIANÇAS

Iniciativa voluntária do setor de alimentos e bebidas não alcoólicas.

Participantes:

Coca-Cola Brasil, Ferrero, General Mills, Grupo Bimbo, Kellogg, Mars, McDonald’s, Mondelez International, Nestlé, PepsiCo e Unilever.

Diretrizes:

  • Não anunciar produtos para crianças menores de 12 anos.
  • Não realizar comunicações de marketing de produtos alimentícios ou de bebidas em escolas com crianças abaixo de 12 anos.
  • Anunciar apenas produtos para crianças menores de 12 anos que atendam aos critérios nutricionais comuns.
  • Considerar como audiências infantis todo público composto por 35% ou mais de crianças abaixo de 12 anos.

O debate sobre o rumo que a publicidade irá tomar e como as restrições irão impactar o mercado só se intensificam, principalmente ao levar em consideração a vulnerabilidade das crianças diante dos apelos ao consumo. E você, concorda com as novas propostas?

 

Comentários no Facebook