Ideias. Colaboração. Tecnologia.
+55 21 2224-4525
IInterativa

Infográfico – Deepfakes: a nova ameaça à segurança digital

Vídeos, imagens e sons que parecem autênticos, mas não são. Esse é o princípio por trás dos deepfakes, uma evolução das fake news como conhecemos. Mais do que nunca, é preciso ficar atento ao conteúdo que consumimos.

A prática está evoluindo rapidamente por conta dos avanços tecnológicos, especialmente os da área de inteligência artificial. Confira o infográfico e fique por dentro!

Infográfico – Deepfakes: nova tecnologia pode colocar nossa segurança em jogo

Agora, a preocupação com a desinformação vai além das notícias. Criados com ajuda da tecnologia, os deepfakes estão cada vez mais populares e foram eleitos como um dos maiores perigos da IA no último ano. Saiba mais no infográfico!

O QUE SÃO?

O nome é uma combinação das expressões “deep learning” e “fake”, popularizada em fóruns em 2017.

Forma de Inteligência Artificial (IA) capaz de criar falsificações quase que autênticas ao estudar padrões em fotos, vídeos e sons. Dessa forma, é possível trocar rostos de pessoas famosas e alterar falas gravadas, entre outras variações.

CRESCIMENTO

  • 14,678 deepfakes online até setembro/2019
  • 20 comunidades dedicadas à produção desse conteúdo já foram identificadas
  • 95,791 membros em apenas 13 delas
  • 96% do conteúdo é pornográfico

RISCO

A evolução da IA está otimizando a criação de deepfakes, reduzindo tempo, custo e habilidades necessárias para gerar as falsificações. Isto facilita a disseminação do conteúdo falso.

  • 25 minutos: tempo médio que algumas ferramentas levam para criar um deepfake.

POLÍTICA EM PERIGO

No contexto político, a popularização dos deepfakes e de ferramentas para alterar vídeos e imagens de forma simples está afetando a confiança do público em diferentes instituições.

  • 68% dos americanos diz que a desinformação afeta sua confiança no governo
  • 50% deles acredita que as fake news são um problema tão grande para o país quanto o terrorismo ou racismo

FOGO CONTRA FOGO

Empresas como Google e Samsung, além da Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA, em inglês) estão fazendo testes com IAs capazes de identificar deepfakes.

PREPARAÇÃO É A CHAVE

Os deepfakes evoluem em uma velocidade difícil de acompanhar – até hoje, pouco mais de 1200 artigos acadêmicos foram publicados sobre o tema. Por isso, é de extrema importância alertar o público sobre os riscos da desinformação, compartilhando técnicas para conferir a veracidade não só de notícias, mas também de vídeos e imagens.

FONTES: CNBC, Deeptrace Labs, Pew Research Institute, MIT Technology Review, The Guardian, The New York Times

Comentários no Facebook