Ideias. Colaboração. Tecnologia.
+55 21 2224-4525
IInterativa

Infográfico – Combate à pandemia: o que os seus dados têm com isso?

A pandemia da Covid-19 desafia as organizações em todo o mundo em relação a proteção de informações. Novas problemáticas quanto aos dados sensíveis dos funcionários, aumento do risco à segurança dessas informações com a adoção do home office, compartilhamento de dados e pedidos para rastreamento de contato aumentam a cada dia.

Este infográfico detalha os principais tópicos relacionados à privacidade de dados na pandemia. Confira!

Combate à pandemia: o que os seus dados têm com isso?

Como fica a questão da privacidade de dados com a adoção da tecnologia para o combate e o rastreamento de pontos de infecção da Covid-19?

Condições permitidas para o uso de dados no combate à COVID*

*(de acordo com normas nacionais e internacionais

  • Motivação
  • Previsão Legal
  • Instrumento
  • Finalidade
  • Minimização
  • Ciclo de Vida
  • (Pseudo) Anonimização
  • Segurança da Informação
  • Transparência
  • Código Aberto

O que dizem os especialistas

“É preciso ter um acordo formal, um contrato, e todas as informações sobre finalidade devem estar bem delimitadas, por quanto tempo vai ser utilizado e quais as técnicas de segurança (para proteger a privacidade) vão ser implementadas”

– Mariana Rielli, pesquisadora do Data Privacy Brasil

Essa permissão também está prevista na Lei Geral de Proteção de Dados (LGDP):

“O medo (sobre desrespeito à privacidade) é justificável. Mas é exatamente por isso que a LGDP foi criada. É uma lei que o Congresso levou oito anos debatendo e o Brasil acabou seguindo o modelo europeu, o mais elevado do mundo em proteção de dados”

– Ronaldo Lemos, advogado e diretor do ITS Rio

  • 1/3 dos países carece de leis para proteger os dados e a privacidade online de seus cidadãos
  • 11% de aumento na adoção de legislação nesse sentido desde 2015

 Diretrizes para a proteção de dados

  • Transparência: ter clareza nos termos dos acordos de compartilhamento
  • Finalidade e adequação: definir objetivo concreto, específico e legítimo para o tratamento
  • Minimização e necessidade: limitar o uso aos dados às finalidades informadas
  • Ciclo de vida: determinar o início, meio e o fim do tratamento
  • Anonimização, agregação e não discriminação: reunir os dados de forma anônima

 Qual deve ser a postura das empresas?

As iniciativas de compartilhamento de dados podem ser úteis para este momento de crise, mas é preciso estabelecer limites entre a necessidade do uso dos dados e a finalidade para a qual eles serão usados.

 FONTES: BBC, IDEC, Inloco, McKinsey, ONU.

Comentários no Facebook